Reforma em apartamentos: tudo o que você precisa saber
5 (100%) 1 vote

O síndico do condomínio deve ser informado de qualquer obra realizada nos apartamentos e pode ser responsabilizado por eventuais danos causados por reformas. Este é apenas um dos pontos estabelecidos pela Norma Brasileira (NBR) 16.280, da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

A regulamentação, em vigor desde 2014, tem por objetivo tornar mais seguro qualquer tipo de reforma em apartamentos, de modo a proteger a integridade do condomínio e de seus moradores. A NBR 16.280 estabelece, ainda, outras responsabilidades para o síndico. Confira neste post o que mais ela determina!

Responsável técnico

Antes da NBR 16.280, o proprietário de um apartamento que desejasse fazer uma reforma não devia nenhuma satisfação ao condomínio. Após sua promulgação, qualquer alteração na unidade deve ter um responsável técnico.

Assim, o condômino deve apresentar ao síndico, previamente, a documentação referente ao responsável pela obra. Se for um engenheiro, o documento é a Anotação de Responsabilidade Técnica (ART). Se for um arquiteto, é preciso ter o Registro de Responsabilidade Técnica (RRT).

Serviços como fechamento de sacadas, abertura de portas, alterações estruturais no apartamento, mudança nas instalações de gás e até instalação de aparelhos de ar-condicionado só podem ser executados após a apresentação da ART ou do RRT.

Além de apresentar os documentos, é preciso ter um cronograma da obra e uma descrição dos serviços, bem como a relação de profissionais que vão executá-los. Intervenções menores, como a instalação de telas de proteção ou a pintura do imóvel, por exemplo, dispensam a apresentação de documentos.

Papel do síndico

A NBR 16.280 incumbe o síndico de algumas obrigações. A primeira delas é a de aprovar ou não a realização da reforma. Para isso, ele deve fiscalizar a obra e verificar se está de acordo com o descrito na documentação apresentada.

Caso verifique alguma discrepância entre o descrito e o executado, o síndico deve alertar o morador. Ele também tem o poder de aplicar multas e até impedir a entrada, no condomínio, de material e dos profissionais envolvidos na obra.

Suporte profissional

Para supervisionar a obra, no entanto, o síndico não precisa ser um especialista em construção civil. Ele pode buscar a consultoria de um engenheiro ou arquiteto com conhecimento técnico para avaliar os documentos.

Assim, é possível saber se a obra apresenta algum risco à integridade do empreendimento ou à segurança dos moradores. Se considerar necessário, o síndico pode, inclusive, embargá-la. E, em caso de litígio com o morador, pode também acioná-lo judicialmente pelo descumprimento da NBR 16.280.

Apesar das regras estipuladas pela norma, ainda é bastante comum que os proprietários façam obras em seus apartamentos sem informar o síndico. Por isso, é importante que os condomínios atualizem suas convenções, de forma a registrar a obrigatoriedade de seguir a norma e a prever sanções para quem a descumprir.

No seu condomínio, todos conhecem a legislação e cumprem a NBR 16.280 ao fazer reforma em apartamentos? Lembre-se de que, caso a norma não seja cumprida e a obra acarrete algum problema, o síndico pode ser considerado corresponsável pelos danos causados.

Este conteúdo foi útil para você? Gostaria de receber mais informações sobre gestão de condomínios? Então siga nossos perfis nas redes sociais. Estamos no Facebook, no Twitter e no Linkedin.